Pesquisa personalizada

29 dezembro 2010

Visitar a Igreja da Misericórdia - Algodres

A Igreja da Misericórdia, localizada na Freguesia de Algodres, foi fundada em 1621.
Apresenta uma arquitectura barroca e possui, na rectaguarda da capela-mor, um terraço que é um miradouro encantador.
A Planta longitudinal é composta de nave e capela-mor, ligeiramente mais estreita, com coberturas diferenciadas em falsas abóbadas de berço abatido, de madeira, iluminada por janelas rectilíneas rasgadas na fachada lateral direita e por óculo sobre o portal axial. Fachada principal em empena, com os vãos rasgados em eixo composto por portal de verga recta, rematado por frontão interrompido, e por óculo quadrilobado. No lado direito, campanário de dois registos definidos por friso e cornija, o primeiro cego e o segundo rasgado por duas ventanas de volta perfeita. No lado esquerdo, a Casa do Despacho, de dois pisos, rasgados uniformemente por vãos rectilíneos. No lado esquerdo, rasga-se a "Varanda de Pilatos", típica das Igrejas da Misericórdia da Beira. Fachadas flanqueadas por cunhais apilastrados e rematadas em cornija, a lateral direita da igreja rasgada por porta travessa de verga recta. Interior com coro-alto assente em colunas que integram pias de água benta e guarda de madeira, com acesso pela tribuna da Sala das Sessões, que abre no lado do Evangelho por pilares de cantaria. Possui púlpito quadrangular no lado da Epístola, com acesso por escadas no lado esquerdo. Arco triunfal de volta perfeita, flanqueado por retábulos colaterais dispostos em ângulo, de talha policroma rococó. Capela-mor possui retábulo de talha dourada do estilo joanino, de planta recta e três eixos.
Os retábulos colaterais são semelhantes, de talha pintada de branco e dourado, de planta recta e um eixo, definido por duas colunas de fuste liso e capitéis coríntios, assentes em consolas, e por duas pilastras; ao centro, nicho de perfil contracurvado com moldura simples e rematada superiormente por elementos fitomórficos, sublinhado por cornija de pefil curvo, de inspiração borromínica; remata em frontão interrompido e espaldar curvo; o banco é ornado por "ferronerie" e acantos, assente sobre altar em forma de urna. Na capela-mor, ao lado do Evangelho, existe um tríptico com pintura sobre madeira, representando, ao centro, Nossa Senhora da Misericórdia e nos volantes a Visitação e a Anunciação, com caixilhos de madeira, surgindo, na predela, uma "Última Ceia"; o conjunto é rematado por tabela com a representação de Deus Pai, flanqueado por colunas jónicas e aletas, rematado por cornija e por um Crucificado.
Esta Igreja está classificada como Imóvel de Interesse Público.

Visitar a Capela de Nossa Senhora do Campo - Algodres

A Capela de Nossa Senhora do Campo, localizada na Freguesia de Algodres, foi construída no século XVIII. É uma capela muito simples de planta longitudinal, de espaço único, antecedido por alpendre aberto, e cobertura interior homogénea em falsa abóbada de berço abatido, de madeira.
A Fachada principal em empena é rasgada por portal de verga recta e arestas boleadas e possui uma sineira de volta perfeita no lado direito com tratamento tosco da sineira.

Visitar a Aldeia Típica de Algodres

A aldeia de Algodres, que sobressai numa vasta paisagem, apresenta casas escuras de granito e um pelourinho notável atraem a atenção do visitante, assim como a Igreja Matriz com uma encantadora imagem de Nossa Senhora da Piedade e um interessante frontal de altar de azulejos sevilhanos.

28 dezembro 2010

Visitar o Rio Mondego - Fornos de Algodres

O Rio Mondego atravessa o concelho de Fornos de Algodres, fazendo a linha de fronteira de várias das suas Freguesias. Percorrer essa linha de Fronteira, ao longo das margens do rio, permite observar magnificas paisagens.

Visitar a Serra da Estrela - Fornos de Algodres

Não fazendo parte da área geográfica da Serra da Estrela, o Concelho de Fornos de Algodres está a ela intimamente ligado, e de vários pontos do Concelho a vista para a Serra é deslumbrante.

27 dezembro 2010

Visitar Fornos de Algodres

Fornos de Algodres é uma vila portuguesa pertencente ao Distrito da Guarda, região Centro e subregião da Serra da Estrela, com cerca de 1 700 habitantes.

É sede de um município com 133,23 km² de área e 5 368 habitantes (2006), subdividido em 16 freguesias. O município é limitado a nordeste pelo município de Trancoso, a leste por Celorico da Beira, a sul por Gouveia, a oeste por Mangualde e Penalva do Castelo e a noroeste por Aguiar da Beira.

As freguesias de Fornos de Algodres são as seguintes: Algodres, Casal Vasco, Cortiçô, Figueiró da Granja, Fornos de Algodres, Fuinhas, Infias, Juncais, Maceira, Matança, Muxagata, Queiriz, Sobral Pichorro, Vila Chã, Vila Ruiva, Vila Soeiro do Chão

Artesanato Regional

Com uma enorme variedade de objectos e peças artesanais com função decorativa, também se fabricam nesta região produtos com função utilitária, largamente comercializados nas feiras que quinzenalmente se realizam em Fornos de Algodres. Da olaria à pintura, dos trabalhos de latoaria à cestaria, poderá também encontrar nos Postos de Vendas de Artesanato, as rendas e bordados em tecidos de algodão e linho, tapetes e carpetes de arraiolos, bem como o calçado tradicional desta região - os tamancos.
A latoaria, arte tão característica desta região pela sua importante função na produção de recipientes próprios e indispensáveis ao fabrico do queijo, existe em Juncais, em Fornos de Algodres e em Figueiró da Granja.
Os cestos de vime, também produzidos artesanalmente na freguesia da Matança, existem em vários tamanhos e formatos, sendo vulgarmente utilizados para transportar os queijos e outros produtos regionais para os mercados locais.


Gastronomia Regional

Com prazeres e sabores únicos, a gastronomia da Serra da Estrela guarda as antigas tradições culinárias que não se limitam ao tão afamado Queijo da Serra. Contudo, em Fornos de Algodres, as mais altas honras são prestadas a esse grande fidalgo da nossa mesa.
Outras especialidades gastronómicas merecem a vossa apreciação: a morcela de Fornos, a farinheira, as chouriças e o presunto, acompanhados com pão de fabrico caseiro e bom vinho do "Dão", da sub-região da Serra da Estrela.
De seguida poderá optar por um dos pratos típicos desta região: o cabrito ou borrego assado no forno, batatas de caçoila à moda de Fornos, bacalhau à Lagareiro, peixes do rio, migas com feijão frade, entre outros.
Para sobremesa não deixa de experimentar o arroz-doce, leite creme, ou o requeijão com doce de abóbora ou com mel, acompanhando, se gostar, com jeropiga ou aguardente da região.


O que Visitar

No Concelho:
Serra da Estrela
Rio Mondego

Na Freguesia de Algodres:
Aldeia Típica de Algodres
Capela Nossa Senhora do Campo
Igreja da Misericórdia
Igreja Matriz
Pelourinho
Três Cruzes
Capela do Furtado

Na Freguesia de Casal Vasco:
Capela da Senhora da Encarnação
Capela da Senhora da Graça
Capela de São Sebastião
Capela do Senhor Loureiro
Chafariz de Casal Vasco
Chafariz do Ramirão
Chafariz do Rossio
Cruzeiro do ramirão
Estátua de Nossa Senhora de Fátima
Estátua de Nossa Senhora de Fátima do Ramirão
Igreja de Casal Vasco
Sepulturas antropomórficas de Casal Vasco
Solar dos Sá e Melos

Na Freguesia do Cortiçô:
Anta do Cortiçô
Igreja de São Pelágio

Na Freguesia de Figueiró da Granja:
Capela de Nossa Senhora de Copacabana
Igreja Matriz
Pelourinho

Na Freguesia de Fornos de Algodres:
Calçada Romana
Capela de Nossa Senhora dos Remédios
Capela de Nossa Senhora da Graça
Coreto Municipal
Monumento ao Pastor
Painel de Azulejos das Freguesias de Fornos de Algodres
Pelourinho
Solar dos Castelo Branco

Na Freguesia de Fuinhas:
Capela de Santo Amaro
Capela da Senhora do Carmo
Igreja Matriz

Na Freguesia de Infias:
Fonte de São Pedro
Igreja
Pelourinho
Tanque Comunitário

Na Freguesia de Juncais:
Relógio de Sol
Ponte de Juncais

Na Freguesia de Maceira:
Fontanário

Na Freguesia de Matança:
Capela da Senhora dos Milagres
Dólmen de Matança
Igreja
Ponte Romana
Pelourinho

Na Freguesia de Muxagata:
Calvário
Capela
Capela de São Sebastião
Igreja
Ribeira de Muxagata
Santuário do Senhor dos Remédios

Na Freguesia de Queiriz:
Nicho de Nossa Senhora dos Milagres
Pelourinho
Fraga da Pena

Na Freguesia de Sobral Pichorro:
Igreja da Mata

Na Freguesia de Vila Chã:
Capela da Senhora das Boas Novas
Solar da Família Soveral Pedroso


Onde Ficar:
INATEL" - Fornos de Algodres
"Casa Grande de Juncais"
"Casa do Bairro da Laje"
"Quinta das Cortes"
"Quinta da Fonte do Sapo"
"Quinta da Laje Alta"
"Quinta da Lameira"
"Quinta da Ponte Nova"
Parque de Campismo de Maceira

Onde Comer:
Restaurante Abrigo das Courelas
Restaurante Casa da Praça
Restaurante Encosta do Castro
Restaurante Flôr do Rio
Restaurante O Peixinho
Restaurante O Pote
Restaurante Os Unidos
Restaurante Retiro do Pinoia
Snack-Bar Pizzamota
Restaurante Zona Sul
Restaurante O Volante

Visitar a Ribeira de Quatrim - Quelfes

Visitar a Praia da Ilha da Armona - Quelfes

A Praia da Ilha da Armona, localiza-se na Ilha Armona e pertence à área geográfica da Freguesia de Quelfes.
Para chegar à praia existem carreiras regulares de barco a partir de Faro, de Olhão e da Fuseta, depois é preciso atravessar os labirintos de areia e vasa da Ria Formosa. A barreira arenosa é consistente e muito larga, o areal é a perder de vista e estende-se para nascente, até à praia da Fuseta, proporcionando momentos de tranquilidade a quem gosta de fazer caminhadas ou tem um barco particular. Os bancos de areias junto da barra delimitam deliciosas piscinas naturais. Também aqui se pode observar a flora rica e aromática dos campos dunares, bem como gozar os ventos mornos de leste e apreciar os tons invariavelmente fogosos do pôr-do-sol.
As correntes junto à barra são normalmente muito fortes, sendo necessária cautela.

Visitar a Praia da Ria - Quelfes

A Praia da Ria, localizada na Ilha da Armona, Freguesia de Quelfes, é banhada pela águas da Ria Formosa.

Visitar a Ponte Romana de Quelfes

A Ponte Romana de Quelfes, também conhecida como Ponte Velha de Quelfes, foi construída no século I d.C, e já por diversas vezes reconstruída, considerada uma das mais importantes estruturas viárias da época de ocupação romana existentes nos nossos dias no território oriental Algarvio.
A sua estrutura é relativamente modesta, supondo-se então de que se tratava de uma ponte de passagem numa estrada secundária de ligação a eventuais villas agrárias e privadas.
Com um estatuto histórico, a ponte é sobretudo reconhecida devido a nas suas imediações as tropas de Napoleão terem sido derrotadas em 18 de Junho de 1808.
A Ponte Romana sofreu recentemente trabalhos de restauração, em 2005.

26 dezembro 2010

Visitar a Ilha da Armona - Quelfes

A Ilha da Armona é uma ilha portuguesa, pertence à Freguesia de Quelfes, estando integrada no Parque Natural da Ria Formosa.
A ilha é constituída por praias voltadas para a Ria Formosa e voltadas para o mar. Dispõe de um parque de campismo e de cabanas de aluguer, sendo também possível alugar casas particulares.
Os adeptos dos desportos náuticos também encontram na ilha da Armona um bom local para os praticarem. Canoagem, vela e mergulho são apenas alguns exemplos. A pesca recreativa é também bastante popular.
Para além da parte habitada da ilha, existe uma secção de cariz mais selvagem, onde é possível encontrar, por exemplo, camaleões e outros exemplares da fauna local.

Visitar a Igreja de Quelfes

25 dezembro 2010

Visitar o Chalé de Marim - Quelfes

O Chalé de Marim, localizado na Freguesia de Quelfes, foi construído pelo poeta, músico e pintor, João Lúcio em 1916 na Quinta do Marim. O chalé foi posteriormente recuperado pelo Parque Natural da Ria Formosa, respeitando fielmente a arquitectura inicial.
Pelo seu exotismo, é ainda hoje considerado como o exemplo máximo da arquitectura simbolista em Portugal. Trata-se de um edifício com três pisos, de forma quadrangular, sem frente nem traseiras.
Orientadas segundo os quatro pontos cardeais, quatro escadarias marcam as entradas para o centro da casa, rematado com uma clarabóia. A escadaria a norte tem forma de peixe; a sul, de guitarra; a nascente, de violino; a poente, de serpente. Simbolicamente, o peixe representa a água; a guitarra, o fogo; o violino, o ar; a serpente, a terra.
O Chalé está actualmente adaptado a Ecoteca/Museu.

Visitar o Cais da Ilha de Armona - Quelfes

Visitar a Pedra da Queijeira - Pechão

24 dezembro 2010

Visitar a Igreja do Pechão

A Igreja de Pechão tem a particularidade de se encontrar no ponto mais alto da localidade, o que permite ter uma bonita vista que alcança toda a região até ao mar, podendo se ver grande parte da costa Algarvia.

Visitar a Fonte Velha - Pechão

A Fonte Velha, localizada na Freguesia do Pechão, data de 1754.

Visitar o Chalé de Bela Mandil - Pechão

Visitar a Capela dos Ossos - Pechão

Pequena capela construída a céu aberto e revestida por ossadas. O frontispício era também ornamentado por crânios sobre ossadas cruzadas.

Visitar o Relógio de Sol - Olhão

Visitar o Porto de Pesca de Olhão

O Porto de Pesca de Olhão é um Porto de abrigo, local onde se encontra todo a frota de pesca de Olhão. Serve também para a descarga de Peixe.

21 dezembro 2010

Visitar a Igreja de Nossa Senhora do Rosário - Olhão

A Igreja de Nossa Senhora do Rosário, localizada na Freguesia de Olhão, começou a ser construída a 4 de Junho de 1698 e demorou 17 anos a ser concluída, tendo a sua abertura ocorrido em 1715.É uma igreja em estilo barroco, na qual, figuram uma abóbada de berço grandiosa e bem lançada e uma torre de quatro sineiras. A frontaria é alta e rematada por um frontão de alvenaria, com volutas e o tímpano é decorado por um escudo marial coroado e anjos ladeando-o. O portal é encimado por um frontão com decorações esculpidas e as janelas têm ornamentos por cima do lintel. É uma fachada com dois corpos sobrepostos com a particularidade de as janelas alinhadas fazerem lembrar os edifícios civis. O interior é em forma de cruz latina, de braços ligeiramente apontados, com cinco altares (o altar-mor; o altar de São Pedro e o altar de São João Baptista, na parede do cruzeiro; o altar das almas, do lado da Epístola e o altar da Nossa Senhora da Conceição do lado do Evangelho. O retábulo da capela-mor é barroco , em termos decorativos destaca-se por ser todo dourado, com um grupo de anjos adorantes debaixo do baldaquino em torno de uma boa imagem de madeira do Jesus ressuscitado e com o seu monumental sacrário de cúpula em charola. Os retábulos colaterais são da fase joanina, em talha dourada sobre fundo vermelho e com um baldaquino sobre os nichos.
O retábulo do altar da Nossa Senhora da Conceição é dourado e policromado terminando numa estatueta de anjos e com o escudo português coroado.
O retábulo da Capela do Senhor Crucificado deve ter sido feito nos anos posteriores pelo mesmo entalhador do retábulo de Nossa Senhora da Conceição, pois são idênticos. Já a talha do arco triunfal é rococó.
A particularidade desta igreja é ter na sua traseira uma pequena capela dedicada ao Senhor dos Aflitos. Trata-se de uma capela de fachada centrada, com telhados de quatro águas e janelas com sacadas de ferro forjado. O centro tem um pórtico de três arcos, decorado no interior com azulejos de cor azul e branco, e uma galilé . É enaltecido por um painel de azulejos com o Cristo Crucificado, no exterior. Vê-se da Avenida da República e é resguardada unicamente por uma gradaria de ferro.

Visitar o Estádio José Arcanjo - Olhão

O Estádio José Arcanjo, localizado na Freguesia de Olhão, é o Estádio municipal onde joga o Sporting Clube Olhanense, clube da 1ª Liga de futebol.

20 dezembro 2010

Visitar a Ermida de Nossa Senhora da Soledade - Olhão

A Ermida de Nossa Senhora da Soledade, localizada na Freguesia de Olhão, da qual se desconhece a data da sua construção, apesar de se presumir ser esta igreja a mesma capela que alguns registos históricos indicam ter sido fundada em Marim por D. João I (séc. XIV).
Os retábulos dos altares são do séc. XIX e uma imagem de Santa Luzia do séc.XVIII.

Visitar os Edíficios do Mercado de Olhão

Visitar o Coreto de Olhão

Visitar os Bancos de Azulejos - Olhão

Os Bancos de Azulejos, localizados na freguesia de Olhão, no Jardim dos pescadores, são da autoria de Jorge Colaço.






Visitar a Ermida de São Sebastião dos Matinhos - Moncarapacho

A Ermida de São Sebastião dos Matinhos, localiza-se na Freguesia de Moncarapacho.

19 dezembro 2010

Visitar o Cerro de São Miguel - Moncarapacho

O Cerro de São Miguel, localizado na Freguesia de Moncarapacho, tem uma altidude de 411 metros. É também conhecido como "Monte Figo", e é a maior elevação da Serra de Monte Figo. O seu cume é um excelente miradouro, sendo possível vislumbrar uma parte considerável da costa sul algarvia.

Visitar a Capela de Santo Cristo - Moncarapacho

A Capela de Santo Cristo, localizada na Freguesia de Moncarapacho, é uma construção Barroca do século XVIII de grande simplicidade. O seu interior é revestido por azulejos policromos do tipo tapete do século XVII, telas do mesmo século representam cenas da Natividade e um Coração de Jesus, o seu altar é em talha dourada, com imagens do século XVIII, onde se destaca uma valiosa grade em Pau Santo (SÉC. XVII).

Visitar a Ermida de São Miguel - Moncarapacho

A Ermida de São Miguel, localizada na Freguesia de Moncarapacho, na encosta norte do Cerro de São Miguel, proporciona uma bela vista de São Brás de Alportel. No interior da Ermida encontram-se algumas imagens antigas de Nossa Senhora.

Visitar a Igreja Matriz de Moncarapacho

A Igreja Matriz de Moncarapacho apresenta um portal, onde se desenham elementos romanos e góticos, e é considerado um dos mais belos dentro do estilo renascentista em todo o Algarve (século XVI). Ricamente decorado em cantaria, é encimado por um conjunto de belíssimas esculturas representando a Anunciação, e imagens dos apóstolos São Pedro e São Paulo.
No interior, destacam-se, pela sua riqueza decorativa, as pinturas que decoram as capelas das Almas, do Calvário e de Santo António. No conjunto de imagens dos séculos XVII e XVIII, merecem especial referência a de Nossa Senhora do Rosário, a do Senhor da Paciência e a do Menino Jesus, no retábulo do Senhor dos Passos.

18 dezembro 2010

Visitar a Torre de Bias - Fuseta

A Torre de Bias, localizada na Freguesia da Fuseta, apresenta uma estrutura redonda, construída em alvenaria. Edificada num planalto sobranceiro à ria com grande visibilidade do mar tinha como finalidade a protecção contra os ataques de piratas e corsários.

Visitar as Salinas da Fuseta

Visitar a Praia dos Tesos - Fuseta

A Praia dos Tesos, localizada na Freguesia da Fuseta, é uma praia com areal de pequenas dimensões, sendo marítima e fluvial. Possui boas infra-estruturas de apoio e é vigiada.

17 dezembro 2010

Visitar a Praia da Ilha da Fuseta

A Praia da Ilha da Fuseta, localizada na Freguesia da Fuseta, e uma praia de extenso areal, muito ligada à actividade da pesca mas também no Verão muito usada por banhista que procuram águas mais quentes.

Visitar a Ilha da Fuseta

A Ilha da Fuseta, pertence à area geográfica da Freguesia da Fuseta, faz a separação entre o Oceano Atlântico e a Ria Formosa.

Visitar a Igreja Matriz da Fuseta

16 dezembro 2010

14 dezembro 2010

Visitar a Ria Formosa - Olhão

A Ria Formosa é um sapal situado na província do Algarve em Portugal, que se estende pelos concelhos de Loulé, Faro, Olhão, Tavira e Vila Real de Santo António, abrangendo uma área de cerca de 18.400 hectares ao longo de 60 quilómetros desde o rio Ancão até à praia da Manta Rota. E foi considerado um dos mais belos parques do algarve , tendo uma grande função e um belo habitat. Banha todas as Freguesias do concelho de Olhão.

Visitar o Parque Natural da Ria Formosa - Olhão

O Parque Natural da Ria Formosa foi instituído em 1987, cobre cerca de 20.000 hectares de um sistema lagunar que se estende por 60 km de litoral, entre a Praia do Garrão (a poente da ilha de Faro) e a Praia da Mantarrota (a nascente de Cacela-a-Velha). É um labirinto de canais, ilhas, sapais e bancos de areia, formados pelo depósito de sedimentos trazidos pelos cursos de água e pelo mar. A ria, a sul, está confinada por um cordão dunar estreito, interrompido aqui e além pelas barras que permitem a entrada das águas das marés. A poucos quilómetros de Olhão situa-se a Quinta de Marim, sede e centro de interpretação do parque natural, concebido especialmente para receber os visitantes, e onde se pode encontrar uma amostra representativa da diversidade dos valores naturais existentes nos principais ecossistemas da ria Formosa.
Este é um ponto de passagem da fauna migradora entre o Norte de África e a Europa e local de invernada das aves provenientes do Norte e Centro do continente europeu. O caimão ou galinha-sultana, emblema do parque natural, é uma das espécies mais raras da Europa, vivendo apenas em Espanha e em Portugal, na ria Formosa e foz da ribeira de Quarteira.

Na área do Parque podem-se observar Espécies de Aves, como o Flamingo, a Águia de Asa Redonda, o Guarda-rios, o Pato-trombeteiro, o Marrequinho-comum, o Maçarico-real ou a Tarambola Cinzenta
Outro habitante do Parque, quase extinto na Europa, é o camaleão.
A nível botânico, a área também é de grande interesse, especialmente pela vegetação das zonas de duna e sapal.A Ria tem também uma importância económica enorme devido à variedade de peixe, marisco e bivalves, sobretudo para Olhão, cidade também conhecida por ser a capital da Ria Formosa. Aqui se cultiva a ameijoa, saindo desta área cerca de 80% do total de exportação do país. A dourada, o robalo ou o camarão da Ria são abundantes.

Visitar o Canal de Olhão